26/02/2015 - 11h19 - Atualizado em 26/02/2015 - 11h20

Márquez domina segundo dia do teste de MotoGP em Sepang

Marc Márquez no topo da tabela de tempos com 1m59,844s

Fonte: Assessoria MotoGP

O espanhol impôs-se a Jorge Lorenzo e Andrea Iannone em nova jornada de trabalho marcada por temperaturas elevadas.

Marc Marquez, Repsol Honda Team, MotoGP Sepang Test II

O segundo dia de trabalho no segundo teste de pré-temporada de MotoGP™ que hoje aconteceu no Circuito Internacional de Sepang terminou com Marc Márquez (Repsol Honda Team) no topo da tabela de tempos com 1m59,844s. Atrás dele ficaram Jorge Lorenzo (Movistar Yamaha MotoGP), a 0,058s, e Andrea Iannone (+ 0,254s), que levou a cabo o segundo dia aos comandos da nova Desmosedici GP15.

Andrea Dovizioso (+ 0,406s), Dani Pedrosa (+ 0,431s) e Valentino Rossi (+ 0,464s) completaram a lista dos seis primeiros.

Pedrosa confirmou a linha de trabalho iniciada ontem com as suspensões e diferentes opções de mapeamento do motor, enquanto o colega de equipe Márquez teve de dar continuidade ao plano de trabalho do primeiro dia depois dos problemas sentidos com os travões. Além disso, o bicampeão do Mundo sofreu queda na Curva 4, precisamente o ponto a partir do qual ontem tinham problemas.

Enquanto isso, na Movistar Yamaha MotoGP Valentino Rossi avaliou acertos da suspensão dianteira e continuou a testar a nova transmissão trazida pela Yamaha para este segundo teste. Lorenzo, que ao contrário do primeiro dia foi rápido desde o início, seguiu plano de trabalho idêntico.

Já entre os pilotos oficiais Ducati o trabalho centrou-se na afinação da GP15, principalmente no que toca á ciclística. Quem também deu continuidade ao trabalho começado na segunda-feira foram os homens da Suzuki MotoGP, já que a chuva do primeiro dia condicionou o trabalho de eletrônica. Maverick Viñales sofreu queda na Curva 7, a meio do dia, mesmo depois de ter assinado a sua melhor volta para terminar em 12º (+0.887s), enquanto o colega de equipe Alex Espargaró foi nono, a 0,565s da frente.

Álvaro Bautista (23º a 2,377s) continuou a trabalhar a ciclística e eletrônica da Aprilia, também sofreu queda pelo caminho. Já Melandri montava nova máquina trazida para Sepang, uma moto com clara base naquela usada pelo italiano no WSBK do ano passado. No entanto, os tempos continuaram a ser decepcionantes, terminando de novo em último, a 4,469s.

Cal Crutchlow, oitavo a 0,489s da P1, tentou melhorar os registros com pneus novos, área onde tinha ainda margem de progressão. O inglês apontou problemas de estabilidade em travagem, ponto onde também se concentrou nesta terça-feira. Ao mesmo tempo, experimentou também pneus traseiros usados com o objetivo de melhorar a tração.

Já o colega de equipe de Crutchlow, Jack Miller, prosseguiu com a soma de quilômetros e avaliando diferentes afinações, isto depois de ter sentido problemas de falta de confiança com a dianteira da moto no primeiro dia. O melhor registro do australiano deixou-o em 21º (+2,124s), isto depois de também ter ido ao chão. Na DRIVE M7 Nicky Hayden (+1.789) foi 17º e Eugene Laverty (+2,100s) 19º. Ambos dedicaram os dois primeiros dias a trabalho de electrónica.

A formação satélite da Yamaha continuou em buscas de melhorias da configuração da suspensão e eletrônico de Bradley Smith, se bem que o piloto continuou a queixar-se de lesão no pulso e terminou em sétimo, a 0,485s da frente.

Um pouco mais atrás, em décimo (+0,845s), ficou o colega de equipa Pol Espargaró que se concentrou em diferentes acertos de chassis e fez também verificações dos travões, montando novas pinças de alumínio sem lítio, componentes que serão obrigatórios a partir de 2016. O espanhol foi outro dos que sofreu queda.

Na Forward Racing deram continuidade ao plano do dia anterior, trabalhando em afinações de chassis para Stefan Bradl (16º a 1,287s). Já Loris Baz (24º a 2,582s) tentou melhorar as sensações com a eletrônica, mas também foi ao chão durante as primeiras horas do dia.

Entre os pilotos satélite da Ducati, Yonny Hernández (15º a 1,168s) só completou 46 voltas em adaptação à nova montada, enquanto o colega de equipa Danilo Petrucci (11º a 0,869s) continuou a trabalhar a eletrônica, suspensão e quadro.

Na Avintia Racing o trabalho centrou-se na eletrônica e eixo traseiro para melhorar a tração à saída das curvas. Héctor Barberá foi 14º, a 1,003s, com Mike Di Meglio a terminar em 22º, a 2,162s.

Comentários,

Comentar matéria

Não houve comentários sobre este assunto.

West Coast - 306x100

Classificação,

    PILOTO PONTUAÇÃO
    1 Marc Marquez 129
    2 Maverick Viñales 124
    3 Andrea Dovizioso 123
    VEJA TABELA COMPLETA

esportes,14 Nov