19/08/2013 - 17h04 - Atualizado em 21/08/2013 - 10h11

Expoclassic: relíquias e raridades reunidas em um só lugar

Além de imagens, trazemos entrevistas com proprietários de belíssimas motos, incluindo uma louca e curiosa viagem.

Zuun,motorcycles

Do dia 16 ao 18 de agosto ocorreu a Expoclassic, o maior encontro de automóveis antigos em área coberta do Brasil, nos pavilhões da FENAC, em Novo Hamburgo, Rio Grande do Sul. De carros e ônibus a motos e bicicletas, para os mais apaixonados apreciarem. Não podendo focar somente nas duas rodas, nossa galeria vem completa, com tudo o que rolou lá. Impossível não mostrar todas as raridades e belezas que estavam juntas em um só espaço.

Mar de Vespas na Expoclassic 2013.

Mas, antes das imagens, entrevistamos a Jorge Borges, proprietário de uma relíquia: uma Monark Monareta, de 1958. A moto possui duas marchas, igual a uma Lambretta, e é toda original, incluindo a pintura. Tem 517 km rodados e apenas trocas de pneus e reparo no motor, por ter trancado. Perguntamos como ele achou essa raridade: “Parto pelo princípio de que gosto de coisa antiga, tenho nove carros antigos. Meu genro chegou um dia lá em casa e disse que foi trabalhar na residência de uma pessoa, que tinha uma moto muito estranha escondida embaixo de umas varas de eucaliptos e disse pra eu ir lá olhar. Cheguei à casa do homem e pedi para que me mostrasse a moto que ele tinha para vender, ele me ofereceu uma Garelli. Disse a ele que era a que estava escondida das madeiras, o senhor me mostrou e falou ‘quero 450 reais nela’, então eu respondi ‘é minha!'. Não tenho a intenção de vendê-la, uma moto dessas não se acha, tampouco quero pintá-la. Só to dando uma tratada nela com um paninho com óleo por causa da ferrugem. O bonito ta nesse aspecto antigo dela! Quero repassar aos meus netos meus veículos antigos, hoje em dia vale muito, imagina daqui uns anos!”, contou.

Jorge Borges e sua Monark Monareta.

Falamos também com o presidente da Confraria da Vespa, de Dois Irmãos, que irá fazer uma viagem até o Deserto do Atacama de, pasmem, Vespa! Hugo Barone é uruguaio, mas mora há 34 anos no Brasil e é apaixonado por essas raras motos desde os 15 anos de idade. “To realizando um sonho de vida. A ideia de realizá-lo surgiu em setembro do ano passado, quando fomos em grupo ao Uruguai, pensamos então em fazer essa viagem também. A preparação, tanto física quanto psicologicamente, vem desde aí. É uma viagem bem programada, iremos fazer em quatro ou cinco etapas esses dois mil e poucos quilômetros. Em Salta, capital de Jujuy (Argentina), tem um grupo de quatro ‘vesperos’ que vai nos esperar, e partiremos juntos até o Atacama, serão seis Vespas no total. O nosso grande desafio é a altitude, chega a um determinado ponto que a moto começa a falhar, mas já sabemos o que fazer quando isso acontecer”, disse Hugo. Nossa curiosidade também foi em saber quantos km por dia eles farão e todo o planejamento que isso leva: “vai variar, a quilometragem mais curta será de 580 e a maior 800 km! Haja banco para isso (risos). Uma dificuldade que sabemos que iremos encontrar é o abastecimento da moto, a Vespa tem pouca autonomia, então teremos que carregar gasolina junto”, contou.

O uruguaio Hugo Barone.

Após isso, queríamos saber mais sobre a presidência, perguntamos qual o planejamento que ele tem para a Confraria: “Assumi este ano e vim com uma administração diferenciada, porque distribuí funções e coloquei todo mundo para trabalhar. E foi um sucesso, temos alcançados todos os nossos objetivos. São trinta integrantes, aproximadamente, e quem quiser se associar é só vir! Nossa Confraria é família”, concluiu.

O banner da viagem dele com o seu amigo Flávio.

Agora, aprecie esses lindos veículos:

Comentários,

Comentar matéria
  • Marcos Gomes
    18/09/2013 - 23h33

    Parabéns pela matéria, convido a conhecer mais sobre o Ciclomotor Monareta em: http://ciclomotor-monareta.blogspot.com.br/ O Blog destina-se ao Ciclomotor Monareta, equipada com motor NSU 49cc. Esses veículos, verdadeiros sonhos de consumo dos jovens à época, começaram a ser fabricados pela Monark em 1958, tornando-se um dos seus mais famosos ciclomotores e se estendeu até o ano de 1962. Por isso, os exemplares existentes são raros e difíceis de encontrar. Grato!